terça-feira, 20 de setembro de 2016

SABOR PARAENSE no gosto da gastronomia internacional

Muitas vezes, para encontrar o novo é preciso uma mudança de perspectiva. É esta a lição que o mundo da alta gastronomia aprendeu ao incorporar elementos da culinária paraense aos seus pratos. É açaí virando sabor de sorvete da multinacional Häagen-Dazs; é chef de restaurantes cinco estrelas de São Paulo reinventando receitas típicas da região; é a comida paraense alçada ao patamar de nouvelle cuisine na França. Depois da música, é na culinária que o Pará vem despontando como a bola da vez.
“Hoje em dia é a gastronomia local que vem influenciando a cozinha internacional. A França, como vanguarda nesse processo, vem sendo muito influenciada pela cozinha do Norte do Brasil. É quase irônico, mas grandes chefs de cozinha estão se voltando para Belém em busca de autenticidade, de originalidade, dando sofisticação a esses produtos que outrora eram desprezados e hoje se elevam ao patamar de iguarias. 
ORIGINALIDADE
Aproveitando a abundância de ingredientes presentes na floresta amazônica e contando com a forte influência da cultura indígena, a cozinha paraense deu origem a pratos que chamam a atenção pelo exotismo e paladar único, como o pato no tucupi e a maniçoba. (Texto Diário do Pará)
O Pará guarda mistérios e riquezas tão fascinantes, quanto desconhecidos. Lendas e magias da exuberante floresta compõem um cenário natural e típico da vida de sua gente. A forte cultura indígena ,extrai da natureza cores, aromas e sabores nativos para uma culinária rica e exótica,  compondo a mais autêntica das cozinhas regionais que cativa e surpreende a todos.
Pode-se dizer, que a Cozinha Paraense começa no mercado do Ver-o-Peso, o principal ponto em que se encontram os elementos para saborear alguns dos mais expressivos pratos gastronômicos paraenses, como o pato no tucupi, o tacacá; o caranguejo; o pirarucu; a maniçoba; além de uma enorme variedade de frutas regionais com nomes exóticos e sabores inigualáveis, dando destaque ao açaí e o cupuaçu. As sobremesas são outras jóias da culinária do Pará 

Pato no tucupi
Falar em pato não adianta, porque patos há em vários lugares, mas com tucupi se torna, talvez, a mais famosa iguaria do Pará, que não pode faltar na mesa do paraense em ocasiões especiais, principalmente na época do Círio de Nazaré. Para prepara-lo, o pato deve ser assado, em seguida, cortado em pedaços e cozido no tucupi, previamente fervido com alho, chicória e alfavaca, para adicionar , previamente cozido, as folhas de jambú. O pato no tucupi é servido com arroz branco; farinha d'água e pimenta de 
Tacacá
De todas as iguarias paraenses, o tacacá é uma das mais consumidas,  não só em restaurantes, mas em qualquer  esquina da cidade, no chegar da noite, entre 4 e 6 horas da tarde, pois é quando o calor tropical começa a amenizar e o povo  sai as ruas, num ritual marcante, a procura de uma barraca ao ar livre , para sentar em bancos de madeira e aguardar que a tacacazeira sirva na cuia , a mistura de goma, tucupi, jambus e camarão seco respectivamente com ou sem pimenta de cheiro, bem ao sabor da terra.
Caranguejo
O caranguejo é muito utilizado na culinária paraense, e se encontra somente em mangues. Sua carne, bem temperada, pode ser servida em diferentes formas; como casquinho, 
encontra somente em mangues. Sua carne, bem temperada, pode ser servida em diferentes formas; como casquinho, unha (pata) ou toc-toc. È petisco tradicional no Pará.   
Pirarucu
O nome pirarucu, na língua tupi, significa ”peixe vermelho”; é um peixe de água doce e um dos mais procurados por toda  região amazônica . Chamado também, de “bacalhau da Amazônia”, sua carne tem um valor nutritivo grande e é um dos pratos prediletos do nortista e pode ser preparado no leite de coco, grelha, chapa, ou como preferir.
Maniçoba
A maniçoba é um dos pontos alto de nossa culinária; sua forma de preparo é longa e sua aparência final muitas vezes surpreende  aquele que nunca provou, devido ao seu aspecto escurecido das folhas da maniva cozida. Mas essa primeira impressão logo acaba, depois que se prova o prato com seus ingredientes e de aspecto tão marcante. A maniçoba é servida em vasilhas de barro ou em louças tradicionais; pode ser degustada com arroz ou somente farinha d'água e pimenta de cheiro a gosto.
Açaí
É uma palmeira da flora regional de tronco fino e comprido, conhecida também como Jussara, de cor púrpura e de sabor delicioso, consumida pela população paraense; mas que hoje, vem sendo apreciada nacionalmente, e aos poucos, 
ganhando mercado também no exterior, graças às suas qualidades energéticas. Depois de amassado pode ser servido com farinha de tapioca ou d'água; com ou sem açúcar, gelado ou natural, acompanhado ou não de pirarucu ou charque frito; de camarão seco, enfim, o que desejar.
Cupuaçu
Originário de uma planta silvestre, que se desenvolve, espontaneamente, nas matas amazônicas; o cupuaçu tem como traço marcante o aroma intenso e o sabor ácido, e é muito apreciado pela gente da terra e pelos turistas. Dele, pode-se aproveitar a polpa, para fazer sucos, doces, geleias, licores, sorvetes e bombons. (Paratur)

Nenhum comentário:

Postar um comentário