segunda-feira, 19 de setembro de 2016

ESTUDO MOSTRA O IMPACTO DAS IMIGRAÇÕES PARA O CRESCIMENTO POPULACIONAL DE MANAUS

Um vilarejo, como Manaus, com pouco mais de 300 habitantes, em 1976, se transformou em uma cidade com mercado com grande potencial crescente.

A criação da Zona Franca de Manaus (ZFM), em junho de 1957, foi um marco para a história do Amazonas. Além do desenvolvimento econômico, a criação da ZFM e do Polo Industrial de Manaus (PIM) resultaram na constituição de aglomerados urbanos, especialmente na capital do Estado, fruto da má distribuição de renda e do déficit habitacional do país.
Para analisar o impacto das imigrações após a implantação da ZFM para o crescimento populacional de Manaus, o pesquisador Kaique Lima está desenvolvendo um estudo com apoio do governo do Estado por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) para classificar os imigrantes de acordo com sua procedência, escolaridade, habitação, emprego, renda e fecundidade. A previsão é que o resultado do estudo seja divulgado em dezembro deste ano.
Segundo ele, o estudo auxiliará na compreensão da importância da imigração para que um vilarejo, como Manaus, “com pouco mais de 300 habitantes, em 1976, se transformasse em uma cidade com mercado atraente, cosmopolita e plural”.
“Compreender o fenômeno de imigração para a cidade de Manaus é compreender, também, as pessoas que nos cercam e a diversidade que encontramos na cidade”, disse o pesquisador.
Os dados estão sendo coletados dos Censos Demográficos realizados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nos anos de 1960, 1970, 1980, 1991, 2000 e 2010.
O pesquisador explicou que analisará os dados de imigrantes que residem em Manaus por cinco anos, a análise por escolaridade só será feita com os maiores de 25 anos e as observações por renda e emprego devem ser feitas nos maiores de 16 anos.
“Estou trabalhando sobre cada Censo Demográfico e a expectativa é que os resultados estejam prontos em novembro ou dezembro deste ano, porém alguns resultados já foram obtidos. Já é possível, por exemplo, identificar que mais de 70% dos imigrantes da cidade de Manaus são procedentes do próprio Amazonas e do Estado do Pará, com destaque para a cidade de Santarém. Observa-se também um aumento de imigrantes com Ensino Superior para cidade, considerando o período de 1960 e 2010”, disse Kaique Lima.
Crescimento demográfico atrelado à economia
A pesquisa mostra que o crescimento demográfico acompanhou, quase que exclusivamente, o crescimento econômico em Manaus, por conta dos imigrantes que vieram em busca de emprego e estabilidade, o que fez com que, segundo o pesquisador, essas imigrações contribuíssem com uma “inquestionável herança cultural na atual sociedade”.
De acordo com Kaique Lima, além dos paraenses, os cearenses e maranhenses também correspondem a maior parte dos imigrantes que fincaram raízes no Estado, além de portugueses, sírios.

Da Redação Via Amazônia
Ada Lima / Agência Fapeam / Fotos José Zamith de Oliveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário