terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Tragédia ambiental ainda preocupa em Vila do Conde!!!

“Passados dois meses, pesquisadores não recomendam o uso da água, tanto para banho, como para o consumo, ainda que tratada”

Pesquisa realizada pelo Instituto Evandro Chagas (IEC) no Rio Pará, após o naufrágio do navio Haidar, com 5 mil bois vivos, no dia 6 de outubro deste ano, revela que os impactos ambientais na área do Porto de Vila do Conde
 são cada vez menores. A avaliação da qualidade da água, feita a partir de diversas análises, já apontava que, em uma semana, a própria natureza se encarregou de minimizar a situação. Porém, mesmo passados 2 meses, os pesquisadores não recomendam o uso da água, tanto para banho, como para o consumo, ainda que tratada.

O relatório divulgado à imprensa detalha que foram retiradas amostras em 10 pontos do rio, próximo ao porto, durante enchentes e vazantes, nos dias 7, 8, 14 e 15 de outubro, mês do acidente. Pesquisadores da seção de Meio Ambiente, encarregados de monitorar a qualidade da água daquela área desde 2009, coletaram e fizeram a análise física – química, microbiológica e biológica. De acordo com o engenheiro químico Bruno Carneiro, nos 2 primeiros dias os impactos eram significativos: demanda bioquímica de oxigênio - concentração de matéria orgânica biodegradável, oxigênio dissolvido – fundamental para a vida aquática; fósforo – excesso de supercrescimento de algas, óleos e graxas, apresentavam alterações ou que deveriam ser inexistentes. “O que aconteceu lá foi o lançamento de matéria orgânica dos bois que entraram em decomposição, e dejetos, aumentando a proliferação de bactérias”, explica.


ESTUDO

Num breve estudo realizado também pela bióloga Samara Pinheiro e o biomédico Edivan Vale, em comparação ao mesmo período do ano passado, logo após o naufrágio houve grandes alterações ao meio ambiente, mas, com o passar do tempo, elas foram diminuindo e, até uma semana depois do acidente, nos últimos dias da análise, as alterações já eram insignificantes. “O impacto foi muito grande, mas o rio teve poder de recuperação ainda maior em pouco tempo”, avalia Carneiro, reforçando que “se faz necessário monitoramento constante”.

Há, porém, outra pesquisa com conclusão distinta. Técnicos do Laboratório Central do Estado (Lacen) divulgaram, no dia 21 de outubro passado, que as praias do Caripi, Itupanema e o igarapé Dendê estavam livres de contaminação. O Lacen havia coletado as amostras de água na semana anterior à divulgação da pesquisa.


Fonte;Diário do Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário