quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Urnas funerárias de 2 mil anos são encontradas em bairro de Manaus

O arqueólogo Carlos Augusto Silva disse que o local onde foram encontradas as urnas, possivelmente com restos humanos, trata-se de um sítio arqueológico e um cemitério indígena da era pré-colombiana

Os pesquisadores concentram os trabalhos na escavação das urnas, na rua Padre Mário, na Colônia Antônio Aleixo (Sérgio Fonseca Jr/Freelancer)

Pelo menos duas urnas funerárias com aproximadamente dois mil anos foram encontradas ontem, em um sítio arqueológico localizado na rua Padre Mário, Comunidade 11 de Maio, no bairro Colônia Antônio Aleixo, Zona Leste. A expectativa, de acordo com uma equipe da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) que está no local desde a última terça-feira, é que mais artefatos sejam achados naquela região, visto que esse tipo de sepultamento era coletivo, feito em semicírculo.
O arqueólogo Carlos Augusto Silva disse que o local onde foram encontradas as urnas, possivelmente com restos humanos, trata-se de um sítio arqueológico e um cemitério indígena da era pré-colombiana. Conforme ele, a região foi, no passado, uma grande área de habitação de populações pré-colombianas que lá deixaram seus vestígios enterrados. “Esse material começou a aparecer no século IV e foi até mais ou menos o século IX, depois desapareceu”, relatou.
Além de Silva, três alunos do curso de arqueologia da Ufam estão dando apoio nas escavações. Eles mostram aos comunitários como o trabalho é feito e como se deve preservar os artefatos encontrados mediante a legislação brasileira, a qual determina que todo patrimônio arqueológico precisa ser preservado pelos vivos. “Começamos a trabalhar com a comunidade para tentar tirar esse material que corre risco de desaparecer”, lembrou o arqueólogo.
Relações
Para Silva, é importante que os alunos vejam o material encontrado, uma espécie de cerâmica ecológica, que não impactou no meio ambiente, para entender a Amazônia. “Eles colocaram restos possivelmente de pessoas dentro desse pote e enterraram. É um dado interessante para entender essa Amazônia, ao invés de matar uma árvore para fazer o caixão para enterrar alguém fizeram uma urna de cerâmica”, destacou.
O arqueólogo ressaltou que as urnas encontradas na Colônia Antônio Aleixo vão para o Museu Amazônico da Ufam, situado no Centro de Manaus. Mas a ideia é que os artefatos voltem ao seu local de origem.
“Logo que a comunidade conseguir um espaço adequado, é possível que essa peça volte para cá, para ser apresentada ao público pelos próprios moradores daqui”, enfatizou.
Resgate de um patrimônio cultural
O arqueólogo Carlos Augusto Silva relatou que as obras do Programa de Água para Manaus (Proama), realizadas pelo Governo do Estado, provocaram diversos impactos ao sítio arqueológico Lajes, situado na Zona Leste.
Por conta dessa situação, conforme ele, em 2009, o Instituto do Patrimônio Nacional e Artístico (Iphan) e o Ministério Público Federal fizeram um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para que o Estado revisse a questão do patrimônio arqueológico daquela região. “Foi a partir desse TAC que a Ufam entrou como parceira para contribuir com o resgate dessa história antes que fosse destruída”.
O arqueólogo destacou que ele e a professora Helena Pinto Lima fizeram o projeto “Resgate do Patrimônio Arqueológico na área da Zona Leste”, e a primeira atividade começou justamente com as escavações no sítio arqueológico Colônia Antônio Aleixo, próximo das Lajes.
SILANE SOUZA/ A CRITICA, MANAUS

Nenhum comentário:

Postar um comentário