sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Hidrelétrica de Belo Monte movimenta economia em Altamira e Vale do Xingu


Altamira, a princesinha do Xingu cresce desordenadamente mas região vive dias de intenso desenvolvimento



Altamira, se por acaso algum dia teve razões para ser a "Princesinha do Xingu", antes denominada, agora toma ares bem diferentes. A cidade está 24 horas envolvida em um turbilhão de pessoas que se dirigem á região em busca de oportunidades de melhores empregos e salários, com as polêmicas obras da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, considerada a terceira maior do mundo.

Maquete de uma das barragens da UHE Belo Monte
 Polêmicas, por que trouxeram para cidade e parte da região problemas sociais; prostituição inclusive de menores e tráfico de drogas, ao mesmo tempo que as obras estão sendo alvos de protestos constantes de grupos ambientais, ao mesmo tempo são o divisor de águas da economia da região.
É comum na praça principal cenas de pessoas morando ao realento, redes atadas em baixo de árvores em via pública, além de um trânsito desordenado e caótico. Quase sempre o noticiário policial registra apreensão de grande quantidade de drogas. Consequências do desenvolvimento que aconteceu em proporções grandiosas.
Porém, tudo contribui para a situação de euforia econômica e risco social. A começar por sua área territorial, pois o município de Altamira tem mais de 160 mil km² – cem vezes o tamanho da cidade de São Paulo –, sendo 96% do território em área de preservação ambiental. Uma parte da usina de Belo Monte, às margens do Rio Xingu, foi erguida em terreno protegido. Por conta disso, para permitir a construção, o Instituto Nacional do Meio Ambiente (Ibama) estabeleceu 40 condicionantes ambientais a serem cumpridas pelas empresas responsáveis pela hidrelétrica.

DADOS TÉCNICOS DA MAIOR HIDRELÉTRICA  DO BRASIL

Em operação, Belo Monte será a maior usina hidrelétrica 100% brasileira e a terceira maior do mundo. Sua construção gera cerca de 20 mil empregos no pico das obras.
A UHE Belo Monte terá capacidade instalada de 11.233,1 MW de potência e geração anual prevista de 38.790.156 MWh ou 4.571 MW médios e reservatório com área de 503 km quadrados. A conclusão do empreendimento está prevista para 10 anos, com início de operação da última máquina em 31.01.2019.

Fonte: blogbelomonte.com.br

REVISTA VIA AMAZÔNIA, A PARTIR DESTA SEGUNDA-FEIRA NAS BANCAS

FAÇA SUA ASSINATURA E RECEBA EM SUA CASA OU ESCRITÓRIO
(93) 99211 1392

Nenhum comentário:

Postar um comentário