sexta-feira, 30 de julho de 2010

Vida na Floresta


Logo cedo, quando no horizonte começam a desapontar os primeiros raios do sol, ao som da melodia entoada pelo mestre das manhãs, o galo canta sua única e famosa composição, deixando o alerta que o novo dia está chegando. Então sem reclamações ou correria o povo da floresta, quase sempre de bem com a vida e sorridente se prepara para mais um dia de batalha, sem ônibus, ar condicionado, poltronas ou qualquer outro acessório exibido em uma empresa.
O homem do campo segue sua trilha até o seu “escritório”, que é a plantação ou a criação – ações predominantes na Amazônia.
Sem pestanejar ou demonstrar sinais de descontentamento, o homem do campo ousa entoar cantigas enquanto manuseia seus instrumentos de trabalho. Mostrando-se que a sua vida se encontra em harmonia. Embora muitas as dificuldades enfrentadas por esses guerreiros, sempre que alguém visita observa a generosidade e hospitalidade que essas pessoas demonstram. Apesar do pouco ter muito tem!
Em pura harmonia com a natureza, o povo das florestas aprende desde criança a conviver em meio aos animais, em que muitas das ocasiões de animais selvagens eles o transformam em dóceis animais domésticos, demonstrando uma grande habilidade e conhecimento a respeito de suas criações. É muito comum observar esse tipo de situação em qualquer propriedade rural.
A forma com que se alimentam é considerada uma das mais saudáveis, pois tudo que faz parte do seu cardápio é de origem natural (vegetal ou animal), já que somos acostumados a ingerir nos nossos dias muito mais produtos industrializados que naturais. Em regiões alagadas onde a pesca é a principal forma de se obter o alimento, é comum na hora do almoço ser servido peixe fresco aos mais diferentes preparos, e à tardinha saborear uma tigela de açaí recém colhido.
O sol começa a se por e mais um dia é passado, um lindo pôr do sol é exibido no céu, passando quase que despercebido por seus anfitriões, pois os mesmos já se acostumaram com tal paisagem revelando a superioridade na qualidade de vida e provam que as belezas naturais fazem apenas da rotina do caboclo. E com a chegada da noite, sem energia elétrica mais com o auxílio da lamparina, lampião ou vela os povo desfruta de um ambiente de comunhão na família, é o preparativo para mais uma agradável noite de sono.
O modo de vida da população que vive nas mais distantes propriedades é muito diferente da vida de que sobrevive nas grandes cidades, que dificilmente se trocássemos as situações alguém iria conseguir êxito. Hoje um dos grandes problemas que fazem com que aumente a pobreza em muitas regiões do nosso país é um processo chamado “Êxodo Rural”, que acontece quando o povo do interior parte para a cidade grande em busca de uma “vida melhor”. E como não é tão fácil se adaptar à novas regras e normas de convivências, acaba ficando desempregados, entram para a criminalidade ou viram mendigos. É uma difícil realidade, mas que pode-se encontrar alternativas viáveis para que seja amenizada essa situação tão comum em nossos dias.
O povo que aprende a conviver na floresta e parte para a cidade está na verdade colocando a sua vida em um jogo onde existes poucas chances de vencer, e portanto, poucos são os que tem sucesso nessa mudança de vida. Todos vivem em busca de uma vida melhor, mas muitas vezes já estão vivendo da maneira que lhes é melhor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário