sábado, 2 de janeiro de 2016

ALENQUER, Labirinto dos deuses!!!

"Um passeio pela cidade dos deuses"


Incrustada, em meio á Selva Amazônica, eis que imponente está aquilo que chamaremos de: o resto de uma farra dos deuses.  A expressão bem poderia ser outra, mas não podemos deixar de atentar para este grande detalhe que tais "seres divinos" teriam nos proporcionado.
São pináculos de pedras que medem cerca de 5 metros de altura, rochas de arenito que por centenas de milhares de anos foram esculpidas, detalhes de um dia de festa como  o cálice que se oferece em um trago do mais doce e saboroso vinho. Ao passar pelos portões de pedras, a imaginação toma dimensões inimagináveis, você pode imaginar do que estamos falando ?
O que mais chama a atenção é a pedra do sacrário, lugar em que o pequeno Danilo costuma ir para rezar. Nossa equipe por um instante ficou quieta e só podíamos contemplar tamanha beleza.

 Andando mais 1.500 metros ao fundo, está a “casa de pedra”,  onde encontramos a marca grafada de um povo que fez questão de nos deixar um registro de como e o quê adoravam.


Tais escrituras, segunda a antropóloga e arqueóloga americana Anna Roosevelt, profunda conhecedora do assunto,  disse-nos que elas datam cerca de 12.000 anos. Nos arremetendo ao período paleoceno.
Alenquer tem um acervo eco-turístico variado e para todos os tipos de visitantes.

A igreja matriz, foi construída em cima do local, onde dizem, foi encontrado o Santo que hoje é padroeiro dos alenquerenses, Santo Antonio “ o casamenteiro ”.  A construção  mantém seus traços de fundação e recentemente foi tombada como patrimônio cultural da humanidade, fato este que deixa os alenquerenses cheios de orgulho.
Outra modalidade crescente em Alenquer é o passeio ecológico “ Alenquer- Curuá ”, que é realizado  no mês de novembro e tem caráter filantrópico.  Motoqueiros vindo de todos os municípios circunvizinhos vem  para participar.
Alenquer é um pedaço do Brasil no meio da Amazônia em franco desenvolvimento. Sua cultura  tem  valor  climatológico, sociológico, antropológico e paleontológico.
da redação/ Via Amazônia

Nenhum comentário:

Postar um comentário