sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

CAMPANHA VIA AMAZÔNIA- SALVEM O BOTO COR-DE-ROSA!!!
Alerta continua contra  pescadores que usam "Botos", golfinhos amazônicos, em especial botos vermelhos, também conhecidos como boto-Cor-de-Rosa, como isca em rios da Amazônia.




Arará Canindé


Vivem em beiras de matas e várzeas de buritizais. É considerada uma das mais belas aves, devido à coloração de suas penas.
A arara canindé é uma ave que vive em áreas da América Central até São Paulo. Mesmo com a ampla distribuição, já desapareceu de grandes áreas. Ainda é bastante comum em diversas áreas de várzea no Pará.A arara canindé alimenta-se de frutos de casca dura, que quebram com o bico. Apreciam os cocos do bacuri e frutos do combaru, jatobá, mandovi e, sobretudo do pequi, árvore típica do Brasil central. Durante a reprodução, chegar a ter de 1 a 3 ovos e a incubação dura cerca de 25 dias.Os filhotes abandonam o ninho com 13 semanas de vida
Depois da época reprodutiva, quando as aves se espalham pela mata, a espécie forma grandes poleiros coletivos. Ver dúzias de araras canindés chegando pela bela luz da tarde a esses poleiros é um dos grandes espetáculos da natureza na Amazônia.
Foto: Universidade do Amazonas Portal Amazônia 01.09.2005-GC.


O gavião-real é a maior ave de rapina do Brasil e do mundo

Além de maior, é considerada uma das mais interessantes.
Seus hábitos são diurnos e o comportamento sedentário. Alimenta-se desde moluscos, crustáceos e peixes até serpentes, lagartos, alguns pássaros e alguns mamíferos, como a preguiça e algumas aves, pois vive solitária (exceto na época de acasalamento). O gavião real vive em montanhas, nas margens de rios e lagos e até mesmo à beira-mar. No Brasil, essa espécie é encontrada na Amazônia, nos Estados do Paraná e Rio Grande do Sul, além de algumas florestas da Mata Atlântica.a (seu alimento favorito) que captura no solo. O gavião-real pode atingir 1,15 m de comprimento e 2,5 m de envergadura. Seu peso varia de 4,5 a 10 quilos. Possui uma plumagem densa nas costas e macia no lado ventral.
Da redação/ Fotos; Divulgação




Nenhum comentário:

Postar um comentário