sábado, 14 de julho de 2012


Belém - opções turísticas

Thumb
Belém, capital do estado do Pará, possui inúmeras belezas naturais, entre as quais se destacam:

Rio Guamá:
  
Rio Guamá é o rio que corta a cidade de Belém e faz parte da vida de população. Banha inúmeras pequenas ilhas, habitadas por nativos que mantém várias olarias.  Em Belém o nível das águas da orla chega a alcançar 3,80 m e 0,0 m, em março e setembro, durante as luas cheia e nova. 


Rio Amazonas 

A capital do Estado do Pará está situada em um dos braços do Rio Amazonas. É banhada pelo Rio Guamá ao sul e pela Baía do Guajará a oeste, a 160 quilômetros ao sul do Equador.

É o maior rio do mundo em volume de água, com extensão total de 5.298 Km. Corta o Estado do Pará no sentido Oeste-leste, possuindo em sua foz a maior ilha fluvio-marítima do mundo, a ilha de Marajó, onde, ao norte ocorre o fenômeno da "pororoca", invasão de águas do Oceano Atlântico no rio, formando grandes ondas destrutivas.

Suas águas são barrentas e frias, alcançando a profundidade de 100m; sendo um rio de planície, é navegável em toda sua extensão.  

Baía do Guajará - onde Belém é mais bonita 

A baia de Guajará situa-se a oeste da cidade de Belém, é a rigor um subestuário e recebe águas dos rios Guamá, Acará e Moju. Possui comunicação direta com a baia de Marajó e, devido sua proximidade do oceano Atlântico, está sujeita a influências das marés oceânicas. Possui águas barrentas, fortemente amareladas e salobras.

É na Baía do Guajará que se encontram magníficas ilhas como as das Onças, Arapiranga e Piriquitos, entre outras. É também onde se concentram os principais pontos turísticos de Belém entre os quais o Ver-o-Peso, Complexo Feliz Luzitânia e Estação das Docas.  

Ilha do Mosqueiro - balneário de paz e tranquilidade 

Banhada pela baía do Marajó, as praias de Mosqueiro sofrem a influência das marés e, por isso, possuem ondas, mesmo sendo praias de rio.

Os chalés antigos que predominam na orla dão ao lugar um aspecto de bucolismo e tranquilidade que, com o passar dos anos, tornou a ilha um dos princiapis balneários da capital, onde a população sempre está em busca de lazer e contato com a natureza.

Dentre as praias mais conhecidas destacam-se: Areião, Grande, Farol, Chapéu Virado, Murubira, Ariramba, São Francisco, Paraíso e Baía do Sol. Algumas são bastante urbanizadas e outras permanecem pouco freqüentadas.


Ilha de Cotijuba  

Parte de um arquipélago situado na baía do Marajó, a 18 milhas de Belém, a ilha de Cotijuba é circundada por 20 km de extensão de praias, das quais, algumas apresentam infra-estrutura de serviços ? as do Farol, a do Cravo e da Saudade ? e outras são completamente selvagens, como a praia do Vai-Quem-Quer.

A ilha é habitada e apresenta muitos exemplares amazônicos de fauna e de flora. Cotijuba guarda momentos da história do Pará no chamado Educandário Nogueira de Faria ? obra de 1932 que, posteriormente, foi transformada no 1° presídio do Pará, atualmente em ruínas. 


Ilha de Outeiro 
 

A ilha de Caratateua ou Outeiro, como é mais conhecida, está ligada a Icoaraci através de uma ponte. Possui muitos atrativos como praias e bosques. A área das praias é totalmente urbanizada, onde se encontram barracas que servem petiscos como peixes, camarões e caranguejos. Das praias, as mais freqüentadas são a do Amor e a Praia Grande.

Icoaraci - arte e cultura marajoara
 

Seu nome, em tupi-guarani, quer dizer ?frente para o sol?. É conhecida como Vila Sorriso e fica a 18 km do centro de Belém, por via rodoviária.

Icoaraci também é o maior centro produtor de artesanato em cerâmica marajoara e tapajônica ? produto que pode ser adquirido dos próprios artesãos ou visto no Museu do Artesanato.


Pode-se encontrar, em Icoaraci, um grande número de obras arquitetônicas, como o Chalé Tavares Cardoso. A vila possui a característica pitoresca de estar nas margens da baía do Guajará e próxima ao centro de Belém.

 Ilha do Combu 
 

 Localizada na foz do rio Guamá, a ilha do Combu possui uma área de 15 km2 coberta por matas densas onde se encontram espécies como a palmeira do açaí e árvores frutíferas como o cacau. No Combu, as ruas são formadas por rios onde trafegam pequenos barcos típicos, usados nas atividades cotidianas dos ribeirinhos.

No furo do Combu está localizada a estação experimental do Museu Paraense Emílio Goeldi, onde são desenvolvidos projetos de pesquisa científica, para intercâmbio entre a ciência e o conhecimento popular.


 Para saber mais sobre turismo em Belém, clique no link abaixo:

Nenhum comentário:

Postar um comentário