terça-feira, 27 de outubro de 2015

SALINAS, TOP DO VERÃO PARAENSE

Salinópolis, a flor da zona do salgado,  exibe maravilhas feitas pela natureza, são piscinas naturais onde muita gente bonita prestigia o paraíso ensolarado.



Em recente visita a capital do Estado, o casal proprietário da revista Via Amazônia aproveitou para curtir sol e praia na estação hidromineral de Salinópolis, distante 220 km da capital paraense, no  mês de julho e constatou as belezas e o imenso potencial turístico que envolve uma das mais belas praias da região do salgado, no nordeste paraense. Salinópolis, ou simplesmente Praia de Salinas é o paraíso ensolarado da Amazônia.



O editor Roberto Santos e sua esposa Auxiliadora Santos, gerente comercial da Revista Via Amazônia, elegeram a Praia de Salinópolis como uma das bonitas do Pará e com potencial dos mais perfeitos na zona do salgado. Durante férias de julho, o movimento é intenso na região, em especial na central praia da Atalaia. Dia e noite tem gente circulando pelos dois quilômetros de calçadão, salpicados por bares e restaurantes que servem delícias da rica culinária paraense. 

Festas e shows também garantem a movimentação intensa do lugar. O movimento das Praias é dividido entre a Praia do Maçarico e a mais famosa, a do Atalaia, uma das mais bonitas, segundo o editor Roberto Santos.

Salinas possui muitos atrativos mágicos feitos pela natureza. Na maré baixa, surgem as piscinas naturais ali formadas. Para completar o cenário, a região exibe ainda gigantescas dunas branquinhas e um lago de águas escuras - porém, limpas - conhecido como Lago da Coca-Cola.
O balneário também reserva cenários tranquilos para quem quer relaxar. Entre eles está a praia da Maria Baixinha, com paisagens virgens e acessíveis através de barco a partir da vila de Cuiarana. 

Para quem é adepto do esporte radical, Salinópolis oferece a Praia da Marieta - ou Ilha do Marco -Point dos surfistas, com ondas perfeitas e muitas dunas. Para chegar lá, basta pegar um barco na praia de Salinas.

Também em Salinópolis, o editor Roberto Santos conheceu o serviço de pronto atendimento feito por membros do Corpo de Bombeiros, integrantes do Detran conscientizavam os banhistas no cuidado em preservar a vida sua e de familiares, evitando bebidas alcoólicas quando estivessem dirigindo, inclusive fazendo teste do bafômetro em plena Praia.


Outro destaque ficou por conta da chegada dos participantes do XIX Rallye do Sol, na Praia do Atalaia. Além de muita alegria e um show a parte de mulheres com corpos bronzeados, a marca do sol nas Praias do Maçarico e do Atalaia.


Orla do Atalaia promete alavancar turismo na região do Salgado Paraense



O arquiteto e urbanista João Castro Filho finaliza um mega-projeto de modernização para a praia do Atalaia em Salinas, dentro da concepção de sustentabilidade, a pedido da Prefeitura de Salinópolis, no nordeste paraense, cerca de 220 km de Belém.
A proposta envolve dois quilômetros de comprimento por 60 metros de largura ao longo da orla do Atalaia, com início na altura do Hotel Privê até a Variante, com direito a 80 barracas em forma de pássaros, no padrão bares-restaurantes, além de uma praça central com 20 quiosques, área administrativa com uma subprefeitura para a gestão e a estação de tratamento de águas e esgotos com torre de 30 metros. Essa torre tanto abrigará a caixa d'água da estação de águas como funcionará como mirante para o visitante ter o visual do mar e da cidade.
No fim da orla, próximo à Variante, será construída a Praça de Eventos com instalação de concha acústica para grandes shows e espetáculos. Até o muro de arrimo será inovador, em formato ondular para reduzir a força da maré. Se não bastassem essas novidades, haverá captação da energia solar nas barracas e de água da chuva para uso nos banheiros dos bares. A ideia é buscar a parceria do Governo do Estado para viabilizar a remodelação completa do Atalaia. 
A nova orla pode ser visualizada desta maneira: haverá 40 barracas de um lado e 40 barracas de outro, entre os dois lados, uma praça central abrigando o setor de 20 quiosques funcionando como tapiocarias, lanchonetes, tacacarias, sorveterias e até lojas de conveniência, bem como a parte administrativa do espaço. O premiado arquiteto trabalha com o conceito de sustentabilidade no teto zenital das 80 barracas e no aproveitamento da água das chuvas nos banheiros dos empreendimentos.
“Toda água usada nas barracas e quiosques será tratada na Estação de Águas e Esgotos. E mais, a água da chuva será captada nas barracas e armazenada numa cisterna e voltará para uso nas descargas dos banheiros'', explicou o urbanista. Ou seja, a água limpa, tratada irá para as torneiras das barracas e a água da chuva para as descargas dos banheiros. ''Nada vai para a praia'', frisou.
   
O conceito de sustentabilidade inclui a iluminação das barracas. De dia, elas não precisarão de energia elétrica, a iluminação virá por cima a partir do teto zenital. Cada barraca bar-restaurante terá em seu interior copa-cozinha, o bar com espaço para 100 pessoas e um conjunto de banheiros com acessibilidade. Na área externa, as barracas terão espaço para mesas e cadeiras.
Da redação/ Fotos; Roberto e Auxiliadora Santos

Nenhum comentário:

Postar um comentário