quinta-feira, 5 de junho de 2014

AMAZONAS

                                 COPA DO MUNDO 
                                   NA AMAZÔNIA
                                                         Amazonas

Situada no coração da floresta amazônica e banhada pelas águas do rio mais extenso do mundo, o Rio Negro, Manaus é a capital do estado do Amazonas e o maior centro econômico-financeiro da Região Norte do Brasil.
Manaus hoje conta com quase 2 milhões de habitantes (1.802.014), o que lhe concede o título de sétima cidade mais populosa do Brasil.
Dona de um rico patrimônio arquitetônico do início do século XX, época áurea da borracha, do qual fazem parte inúmeros pontos turísticos espalhados pelo centro da cidade, como o Teatro Amazonas, o Palácio da Justiça, a Alfândega e o Mercado Municipal Adolpho Lisboa.
Rodeada de natureza, a capital amazonense ainda é ponto de partida para passeios ecoturísticos, como o Encontro das Águas (fenômeno natural e o Arquipélago de Anavilhanas.       


A Copa do Mundo 
É um evento único que merece atenção universal não só pelas suas dimensões planetárias, mas pela sua capacidade especial para unir bilhões de pessoas de diversas culturas e continentes em um único sentimento de paixão.
Em 2014, o Brasil terá novamente a chance de sediar o evento, exatamente 64 anos depois da partida histórica onde a seleção brasileira conquistou o título de vice-campeã mundial, no Maracanã. Será a vigésima edição do evento que, desta vez, terá o dobro do número de cidades-sedes que receberam jogos em 1950.
Cada região brasileira, do norte ao sul do país, possui pelo menos uma cidade representante, o que tornará o evento ainda mais interessante para os turistas, que terão a oportunidade de conhecer a diversidade e os contrastes do Brasil. Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Salvador, Porto Alegre, Curitiba, Natal, Recife, Fortaleza, Cuiabá e Manaus, já passam por um processo de transformação para receber os jogos.

                        

                                                 A Arena Amazônia
    Antigo Estádio Vivaldão, pode não ser um palco tradicional do futebol brasileiro, mas certamente atrairá um grande número de torcedores graças à sua localização privilegiada, no coração da maior floresta em área contínua do mundo. 
Inspirado nela, aliás, o projeto do estádio prevê a construção de uma estrutura metálica similar à de um cesto de palha típico da região, que protegerá a parte externa das arquibancadas. Todo o processo se encaixará nas normas de sustentabilidade, que devem deixar um importante legado à região e ainda preservar a diversidade da Floresta Amazônica. 
As águas da chuva, por exemplo, serão armazenadas para uso posterior nos banheiros ou para a irrigação do gramado. Já a luz solar, abundante nesta parte do país, deverá gerar energia limpa e renovável. Por fim, algumas paredes vegetais contribuirão para a redução dos gastos de energia e, sobretudo, para o controle da temperatura dentro do estádio.
A Arena Amazônia terá 42.377 lugares, restaurantes, estacionamento subterrâneo e um acesso por meio de um corredor de ônibus e monotrilho. Ela receberá quatro jogos de primeira fase da Copa do Mundo da FIFA 2014™ e servirá posteriormente como um grande pólo de atração turística para shows e eventos na região.




Detalhes importantes do estádio Arena e da Copa do Mundo na Amazônia.

        
                                                          
                                                          Monotrilho    

O projeto do monotrilho de Manaus tem 20,2 km de extensão e previsão para sete estações, passando por dói terminais de integração com ônibus e BRTs. A construção será dividida em duas etapas. A primeira, com 14 km, ligará a zona Norte por meio do principal corredor viário da Cidade, a Avenida Torquato Tapajós e Constantino Nery, onde está localizada a Arena da Amazônia, ao Entorno da Arena. A segunda etapa, com aproximadamente 7 km, ligará a zona Norte à Leste. O projeto inclui 15 trens com seis carros cada e com capacidade de até 900 passageiros. Os investimentos totalizam R$ 1,6 bilhões.

Nenhum comentário:

Postar um comentário